Oportunidades na Crise (Juarez de Paula)

9 de maio de 2009 at 14:41 Deixe um comentário

Por Juarez de Paula

A atual crise financeira internacional pode ser caracterizada como estrutural e sistêmica. Estrutural porque atinge o modo de produção capitalista naquilo que é sua razão de ser: a reprodução ampliada do capital. Sistêmica porque afeta todos os setores da economia mundial, ainda que de forma desigual. Mais do que isso, esta crise, pela sua extensão e profundidade, pode ser tomada como um sintoma inequívoco da falência do modelo civilizatório contemporâneo, caracterizado pela exclusão social das maiorias e pela completa falta de sustentabilidade ambiental. Porém, como toda crise, ela também oferece oportunidades.

A primeira das oportunidades resultantes desta crise é a possibilidade de rediscutir o conceito de desenvolvimento. É preciso superar, definitivamente, a visão que confunde desenvolvimento com crescimento econômico, com progresso material supostamente ilimitado. O desenvolvimento precisa ser pensado como um fenômeno resultante de escolhas conscientes, na perspectiva da conquista da qualidade de vida para todos, no presente e no futuro.

Assim, o desenvolvimento precisa ser humano (melhorar a qualidade de vida das pessoas), social (não apenas de algumas pessoas, mas de todas as pessoas) e sustentável (das pessoas que estão vivas hoje, sem afetar as possibilidades daquelas que viverão no futuro). O desenvolvimento precisa também ser local e solidário. Local, no sentido de que “o melhor lugar do mundo tem que ser aqui e agora”. Não faz sentido projetarmos nossos desejos para um tempo e um espaço futuros, que jamais é alcançado. Isso é uma forma de auto-engano. Solidário, porque já é tempo de aprendermos que não é a competição, mas ao contrário, é a cooperação que produz efetivo desenvolvimento individual e coletivo. Além disso, o desenvolvimento precisa ser includente e endógeno. Includente, no sentido de que precisa cuidar das pessoas, sobretudo daquelas que vêm sendo “deixadas para trás” em razão da falta de equidade de direitos e oportunidades. Endógeno, porque precisa ser um processo “de baixo para cima e de dentro para fora”, ou seja, baseado no planejamento participativo e na gestão compartilhada, no protagonismo local.

A segunda oportunidade resultante desta crise é a possibilidade de rediscutir o conceito de democracia. A questão posta pela crise é a seguinte: quem tem representatividade, legitimidade e autoridade política para tomar decisões econômicas que afetam a vida de todos? Onde estão os mecanismos de controle para evitar que uma minoria se beneficie impunemente à custa da maioria?

A crise atual certamente liquidou com quase três décadas de discurso neoliberal. Todavia, não podemos sair do absolutismo do mercado para cair na tentação do estatismo. É preciso afirmar a necessidade do controle social sobre o Mercado e o Estado.

É necessário radicalizar o conceito de democracia. Precisamos ir além da idéia de representação, de alternância de poder, de eleições periódicas, de liberdade de expressão. É preciso que a democracia penetre nas instituições sociais e nos meios de comunicação. É preciso que a democracia não seja apenas um fenômeno político, mas também econômico. A tarefa democrática é descentralizar, desconcentrar e distribuir, tanto o conhecimento, quanto a riqueza e o poder. Precisamos superar, definitivamente, o padrão de organização vertical, substituindo-o pelos modelos de organização em redes distribuídas e densamente conectadas.

A terceira grande oportunidade resultante desta crise é a possibilidade de rediscutir as políticas públicas. Trata-se de enfrentar as seguintes questões: que Estado, para que tipo de desenvolvimento, em benefício de quem?

Por que é possível utilizar recursos públicos para salvar empresas privadas e não é possível garantir uma renda de cidadania para todos os excluídos do mercado? Por que não é possível estabelecer condições e exigir contrapartidas sociais das empresas socorridas? Por que não reduzir a jornada de trabalho para ampliar as oportunidades de emprego? Por que não canalizar os investimentos públicos destinados à geração de ocupação e renda para atividades que resultem em benefícios coletivos, a exemplo de obras de saneamento, construção de moradias populares, recuperação de escolas e hospitais públicos, urbanização de favelas, dentre outras? Por que não investir fortemente na substituição dos combustíveis fósseis por fontes de energia limpa? Por que não induzir um novo padrão de produção e consumo?

Investir em tecnologias sociais, que são soluções sustentáveis, de baixo custo, de fácil reaplicação, desenvolvidas em interação com as comunidades locais e geradoras de inclusão social, pode ser um excelente caminho para começar a sair da crise.

Entry filed under: Juarez de Paula. Tags: .

Crise internacional e desenvolvimento local (Juarez de Paula) A crise de 2008 põe à prova as políticas keynesianas (Paul Singer)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Comissão convocadora

Amir Khair, Antonio Martins, Caio Magri, Caio Silveira, Carlos Lopes, Carlos Tibúrcio, Darlene Testa, Eduardo Suplicy, Ignacy Sachs, Juarez de Paula, Ladislau Dowbor, Luiz Gonzaga Beluzzo, Moacir Gadotti, Márcio Pochmann, Paul Singer, Roberto Smith.

Feeds


 
Logo BNB
 
Logo IPEA
 
Logo IPF
 

 

 

As postagens deste blog estão abertas para seus comentários.
Para comentar os artigos, use o link "add comment" no rodapé de cada texto.

 
 
 

Se desejar mais informações sobre Crise e Oportunidade entre em contato conosco através do e-mail criseoportunidade@utopia.org.br

 
 

 
 
O objetivo geral de Crise e Oportunidade é de identificar na crise global as oportunidades de se colocar em discussão temas mais amplos, buscando a organização da intermediação financeira e dos fluxos de financiamento para que respondam de maneira equilibrada às necessidades econômicas, mas que sobretudo permitam enfrentar os grandes desafios da desigualdade e da sustentabilidade ambiental, nos planos nacional, regional e global.

 
 
 
 
Ajude a divulgar esta iniciativa colocando este botão em seu site ou blog (<b>https://criseoportunidade.wordpress.com</b>)

Ajude a divulgar este espaço de debate colocando este botão em seu site ou no seu blog.

 
 
 
 
 
 
Licença Creative CommonsEste blog está licenciado sob uma Licença Creative Commons 2.5 BR

%d blogueiros gostam disto: