Sobre o Painel: Energia, mudanças climáticas e desenvolvimento sustentável – 09/03/10 (Flávia Landgraf) 

24 de março de 2010 at 19:12 Deixe um comentário

Por Flávia Landgraff, 22 de março de 2010

O Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), em parceria com os Institutos Vitae Civilis, Ethos e Crises e Oportunidades, realizou no dia 09 deste março, um painel que discutiu os desafios brasileiros para a construção coletiva de padrões produção e consumo sustentável do ponto de vista econômico, social e ambiental.

Coordenado por Rubens Born, do Vitae Civilis, o debate teve como palestrantes: Paulo Simão, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC); Branca Americano, diretora do Departamento de Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente; Ricardo Abramovay, professor do Departamento de Economia da USP; Oded Grajew, presidente do Instituto Ethos; Artur Henrique, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT); Ladislau Dowbor, professor da PUC/SP e Ignacy Sachs, diretor do Centro de Pesquisas do Brasil Contemporâneo na Escola de Altos Estudos de Ciências Sociais da Universidade de Paris. Sob o formato dos painéis anteriores da iniciativa “Crises e Oportunidades”, o evento trouxe à mesa representantes de diversos setores sociais – organizações não governamentais, instituições privadas, academia, sindicatos e governo – e abriu aos participantes cerca de um terço do tempo de discussão a questões e intervenções.

Born, na abertura, incitou uma reflexão novamente enfatizada ao final, por Sachs, quanto ao planejamento das políticas. “Se os leilões de hoje estão configurando um Brasil para daqui 20 a 30 anos, será que teremos que esperar de 30 a 40 para poder mudar o rumo do planejamento energético e desenvolvimento econômico?”. As explanações giraram em torno da redução dos efeitos prejudiciais ao meio ambiente, alternativas econômico nesta perspectiva, e os tipos de relações sociais fortalecidas ou enfraquecidas nestas possíveis configurações produtivas. Abramovay nos alerta para a necessidade de “pensar no sentido da vida econômica” como processo fundamental para as decisões a serem tomadas. “A questão não é mais crescer ou não. Não é mais possível a lógica dominante em que processos são desenhados, seus meios necessários são concebidos, e somente depois identificamos as “externalidades” que precisamos mitigar”.

O papel de destaque do Brasil no campo de novos padrões de construção sustentável, da produção do etanol e do desenvolvimento de tecnologias sustentáveis foi um assunto recorrente. No plano internacional, o imperativo de cumprimento com os acordos e com a posição brasileira nos fóruns internacionais foi levantado como um elemento de fortalecimento, no plano interno, de políticas que enfoquem práticas que contribuam para a resiliência dos ecossistemas. O desmatamento e as opções energéticas brasileiras foram constantemente abordados com cautela. “Não podemos evitar a discussão de nosso padrão de crescimento econômico sob o pretexto de que nossas bases energéticas são limpas”, disse Abramovay. Segundo Branca “É preciso pensar nos potenciais de redução para estrategicamente investir em áreas para descarbonização de nossa matriz”. Para a diretora do Departamento de Mudanças Climáticas do MMA, as dificuldades nas negociações internacionais não deve comprometer a elaboração de planos setoriais nacionais. Nesta perspectiva Paulo Simão (CBIC) apontou avanços e políticas na área da construção civil quanto à regulamentação de obras públicas, capacitação dos profissionais, investimentos em ciência e tecnologia, e mobilização de agentes nos Estados da Federação para implementação de mudanças. No plano da gestão administrativa dos entes federativos, Odede enfatizou a importância do controle social das políticas. Alertou para o momento atual de regulamentação da Lei sobre Mudanças Climáticas, que representaria uma nova agenda ambiental nacional, e para a importância da participação social nesse processo.

“Temos que reaprender a pensar o desenvolvimento como todo”. “Um dos perigos que temos que evitar é usar o meio ambiente como pretexto para postergar a problemática social”, enfatizou Ignacy Sachs. Para Ladislau Dowbor a difusão dos estudos que apontam a viabilidade da crescente oferta de empregos verdes é fundamental para o fortalecimento desta nova perspectiva. “Se não acoplarmos o meio ambiente à noção de geração de emprego, o grosso da população vai continuar a postergar a discussão de medidas nesse sentido.” “È preciso pensar em sucesso democrático e acesso a bens”. Para Artur Henrique (CUT) o estabelecimento de contrapartidas para as empresas na formulação das políticas setoriais e na regulamentação do financiamento de iniciativas por recursos públicos é um dos meios de atingir estes fins.

“É preciso recolocar o planejamento na agenda”
Com esta fala, Ignacy Sachs abordou a necessidade de avaliação, em longo prazo, de maneira sistemática e abrangente os desdobramentos sócio-econômico ambientais das escolhas nos investimentos. As repercussões de gastos em saneamento na redução significativa em gastos no sistema de saúde, os resultados da especulação com os alimentos e a má distribuição alimentícia como as principais causas da fome, incentivos em ciência e tecnologia dentro de uma concepção de educação nacional, foram algumas das problemáticas levantadas ao longo da discussão. Sachs nos lembra que em 2012 acontecerá, no Brasil, a Cúpula da Terra e que o tempo é curto para preparar uma discussão. A “convergência de processos críticos” apontadas por Ladislau é vista como a terceira grande transição da humanidade por Singer. Olhar para todos os elementos da equação, em tempo hábil para soluções drásticas (entre 10 a 30 anos) é o imperativo da situação em que estamos, para o professor. “Por isso a importância em não perdermos 2012 como perdemos 92”.

A reformulação do modo de produção e consumo perpassa pela análise de como se faz, em que estrutura social, em que condições, e com que contrapartidas. Não há soluções definitivas, mas há regulamentações fundamentais e arranjos sociais e econômicos favoráveis às distintas realidades, daí a construção de estratégias e princípios que norteiem as ações e fortaleçam estas diferentes iniciativas. “Se um outro mundo é possível, uma nova gestão é possível”, disse Ladislau, no contexto deste encontro entre diferentes setores sob uma perspectiva comum de mudança.

Entry filed under: COORDENAÇÃO CRISES E OPORTUNIDADES. Tags: , , , .

Valores na economia pós-crise (Frei Beto)  Os dez mandamentos (edição revista e atualizada por Crises e Oportunidades)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Comissão convocadora

Amir Khair, Antonio Martins, Caio Magri, Caio Silveira, Carlos Lopes, Carlos Tibúrcio, Darlene Testa, Eduardo Suplicy, Ignacy Sachs, Juarez de Paula, Ladislau Dowbor, Luiz Gonzaga Beluzzo, Moacir Gadotti, Márcio Pochmann, Paul Singer, Roberto Smith.

Feeds


 
Logo BNB
 
Logo IPEA
 
Logo IPF
 

 

 

As postagens deste blog estão abertas para seus comentários.
Para comentar os artigos, use o link "add comment" no rodapé de cada texto.

 
 
 

Se desejar mais informações sobre Crise e Oportunidade entre em contato conosco através do e-mail criseoportunidade@utopia.org.br

 
 

 
 
O objetivo geral de Crise e Oportunidade é de identificar na crise global as oportunidades de se colocar em discussão temas mais amplos, buscando a organização da intermediação financeira e dos fluxos de financiamento para que respondam de maneira equilibrada às necessidades econômicas, mas que sobretudo permitam enfrentar os grandes desafios da desigualdade e da sustentabilidade ambiental, nos planos nacional, regional e global.

 
 
 
 
Ajude a divulgar esta iniciativa colocando este botão em seu site ou blog (<b>https://criseoportunidade.wordpress.com</b>)

Ajude a divulgar este espaço de debate colocando este botão em seu site ou no seu blog.

 
 
 
 
 
 
Licença Creative CommonsEste blog está licenciado sob uma Licença Creative Commons 2.5 BR

%d blogueiros gostam disto: